MINISTÉRIO PROFÉTICO NA IGREJA APOSTÓLICA

Mateus 11:11-13; Lucas 16:16; Efésios 4:11

Introdução

– Se você está acompanhando bem os estudos sobre ministério até agora, já percebeu que estamos seguindo uma ordem cronológica do aparecimento de cada ministério, no Novo Testamento.

– Nos estudos anteriores vimos o estabelecimento do apóstolo e lemos textos bíblicos que nos reforçam a idéia de que o apostolado não cessou com os doze e nem cessou na igreja primitiva. O apostólico continua até hoje! Estamos aprendendo que tal qual a igreja começou, ela deverá terminar. Ela tinha em seu início apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres, então deverá restaurar isto para poder terminar como sempre foi. Jesus está voltando e o evangelho do reino deve ser pregado.

– Logo após os apóstolos serem implantados na igreja primitiva, vem a necessidade de diáconos. Vimos que os 5 ministérios são ministérios de Cristo e que o diaconato é o ministério da igreja. Agora, vamos seguir com o próximo ministério que aparece no NT, o profeta.

1) Definindo Termos

Profecia e Seu SignificadoEm hebraico encontramos a palavra profeta que vem de:

1 è harh – hara’ah* de har – ra’ah – vidente

Originalmente a palavra está conjugada como um particípio do qal. Isto quer dizer que o vidente é “aquele que vê”. Os significados podem ser: ver, examinar, inspecionar, perceber, considerar

2 è hzx – “chozeh” – vidente – particípio ativo de hzx – “chazah”: ver, perceber, olhar, observar, profetizar, providenciar

3 è abn – naba’

Que é uma raiz primitiva e significa profetizar (na forma hebraica do Nifal)

– sob influência de espírito divino

– referindo-se aos falsos profetas

4 è aybn – nabîy’ ou navîy’

–  porta-voz, orador,  profeta

5è Em grego, no NT, encontramos a palavra profeta que vem de:

profhthv – profetês à junção de pro = em favor + fhthv de femi= declarar, dizer

Segundo a definição principal é que a idéia essencial da palavra é a de porta-voz autorizado e/ou oficial. A tendência tem sido afastar-se da idéia ativa de falar em êxtase como o sentido essencial de profetizar. Teólogos argumentam que a palavra não pode ser empregada como argumento em favor da natureza extática do ministério dos profetas.

2) Olhando os Profetas do Velho Testamento

  1. a) Leitura de Mateus 11: 11-13 e Lucas 16:16 – Esta leitura nos ajuda a entender que há um tipo de profeta no Velho Testamento e há outro no Novo. O segredo do entendimento bíblico é saber como cada um funciona a seu tempo. Para melhor entendimento devemos ilustrar como funciona o motorista de um caminhão sem direção hidráulica, sem tacógrafo e sem bloqueador, dos tempos antigos e como se comporta um motorista de um caminhão moderno com os equipamentos referidos.
  1. b) Gênesis 20:7 – “ele intercederá por ti” – Neste texto encontramos uma palavra afirmada pelo Senhor Deus – Yahweh – sobre Abraão, feita a Abimeleque. Deus afirma que pelo fato de Abraão ser profeta ele poderá interceder. O que nos torna bastante significativo o fato de que, neste caso, o próprio Deus apresenta uma função espiritual importante de Abraão na oração: intercessor. Pelo fato de alguém ser profeta e ser porta-voz de Deus, tem uma relação de intimidade com Yahweh e aí é alguém que pode apresentar outros a Deus. Abraão não fez milagres, mas foi chamado de Pai da Fé, não pregou a palavra a um grupo, mas foi chamado de profeta… por quê?
  1. c) O profeta no VT é conhecido pelo fato de:

– Representar a Deus, falando em nome dEle. No texto de Êxodo 7:1 podemos compreender isto pelo que o Senhor disse sobre o que ia fazer Arão. A relação de Arão com Moisés nos indica claramente o que faz um profeta em relação a Deus.

– De acordo com Números 12: 6, Deus fala aos profetas em sonhos e visões. Yahweh explica que normalmente ele fala por meio de sonhos e visões, sendo diferente e especial com Moisés. Porém esta colocação nos direciona alguns dos métodos de Yahweh falar aos seus profetas. Ele fala diretamente e também através de sonhos e visões. Nos parece claro, no contexto da passagem, que o princípio de maior autoridade é quando Yahweh fala de forma pessoal e direta.

– Amós 3: 6-7 – É muito forte a expressão que diz que Deus não fará coisa alguma sem que antes revele seu segredo aos profetas. Fica claro que o profeta é aquele que desvenda o segredo de Yahweh Elohim com o propósito expresso do próprio Deus. O profeta não se aventura a meter-se em segredos não revelados ou sem propósito do coração de Deus. O profeta capta o coração de Deus, compreende o propósito, entende o significado e o traduz em linguagem do povo. No Velho Testamento o profeta era uma voz que guiava o povo.

  1. d) No VT o profeta revela ao povo o que Deus quer. Sua profecia guia o povo, porque somente ele, os reis e os sacerdotes têm a unção de Deus. Ele tem unção para falar em nome de Yahweh.
  1. e) Outra faceta do profeta do VT é prever os acontecimentos e prevenir o líder ou o povo. Números 6: 8-12; Joel 2: 28ss; Isaías 53: 7-11
  1. f) No VT a revelação do profeta NÂO vem do entendimento da Escritura, mas uma palavra sobrenatural de Yahweh. Deus dá uma visão, um arrebatamento de espírito (vide Ezequiel), um sonho.

3) O Profeta no Novo Testamento

  1. a) Mateus 11:7-15 – Neste texto Jesus (Yeshua) está fazendo referência a João Batista, esclarecendo sua missão profética e em que espírito ele viria. Note que Jesus não está colocando nenhum aspecto reencarnacionista de Elias em João. Elias, no VT é uma tipologia de João, o Batista. Depois de Elias veio um profeta maior que ele, depois de João também. Elias era um homem rejeitado pelos governantes de Israel, João também. Elias procurou levar Israel ao arrependimento, João também. Elias teve crise séria em seu ministério, tendo dúvidas de sua missão, João também. A diferença está no fato de que Elias foi arrebatado e João não. Porém o modo de se vestir e se apresentar ao povo eram características de ambos, Elias e João. Entretanto, o profeta Malaquias profetizou que Elias viria ante a face do ungido (Cristo). Assim lemos Malaquias 4: 5 e 6 – “Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor; e ele converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha, e fira a terra com maldição”.
  1. b) Mateus 24: 4-5, 10-11, 24-25 – A presença de falsos profetas prova a existência dos verdadeiros. O anjo caído e seus ajudantes jamais se preocupam com falsificações quando a verdade não é apresentada. Você já viu uma nota falsa de 999 cruzeiros? é claro que não, pois não existe nota verdadeira de 999 cruzeiros. Portanto, o alerta de Deus contra os falsos profetas nos últimos dias é uma prova positiva de que os verdadeiros devem existir. Para cada época de crise no passado, Deus enviou um profeta. Antes do dilúvio, Noé. Na apostasia geral, Elias. Antes de Jesus começar Seu ministério na Terra, veio João Batista para preparar o caminho. Para escrever o livro de Apocalipse para os nossos dias, Deus chamou João. Em um tempo de crise como o mundo jamais conheceu, quando Jesus está para retornar, Deus não vai nos esquecer.
  1. c) As Escrituras predizem que Ele não nos esquecerá: “Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel… vejamos em Atos 2: 16 a 18. O apóstolo São Pedro estava aplicando a profecia de Joel para aqueles dias. Mas essa profecia seria cumprida também em nossos dias, nos tempos finais. Jovens, velhos, filhos, filhas, servos – dentre todos estes, nos últimos dias, surgirão os que profetizarão. Quando Jesus retornou ao Céu, Ele enviou dons para o Seu povo. Jesus estava preocupado com as necessidades da Igreja.
  1. d) Efésios 4:8, 11 a 13. Quais serão os resultados desses dons na Igreja, inclusive o de profecia? >> Efésios 4:14. Esses dons são para nos manter firmes. Eles nos advertem para permanecermos na Bíblia, impedem que sejamos confundidos e levados por ventos de falsas doutrinas. Esse é o propósito do profeta na igreja hoje. Ele não é mais um guia como no VT, onde se alguém quer saber a vontade de Deus procurava o profeta. Hoje, o profeta, visa executar o exposto em Efésios 4: 11-16.
  2. e) A igreja primitiva tinha profetas e nunca os rejeitou. Eles exerciam sua missão conduzindo a igreja ao propósito divino. Um profeta revela um acontecimento e a igreja se põe a realizar algo para atender o propósito revelado na profecia. Vejamos estas passagens:

– Atos 11: 27-30 – Ágabo

– Atos 13:1-2 – Aqueles profetas estavam no exercício do templo, buscando a Deus, executando atos relacionados àqueles que buscam a Deus. Além de fazerem tal, jejuavam. Mediante este tempo de ministração a Yahweh foram orientados pelo Espírito a o que fazer. Receberam, portanto, uma revelação: apartai-me a Paulo e Barnabé para a obra…

– Atos 15: 30-32 – Judas e Silas – profetas

– Atos 21: 8-10 – As filhas de Felipe e Ágabo – de novo

4) Algumas Diferenças

  1. a) O profeta do VT guiava o rei e o povo. Podia ser vidente ou não, mas quando alguém queria saber o que Deus tinha a dizer sobre algo iam até o profeta. No NT o profeta não guia mais o povo, quem faz isto é o Espírito Santo. Leiamos Romanos 8: 14; Gálatas 5: 15; João 16: 13 – Somos guiados pelo Espírito.
  1. b) João 7: 38-39; 14: 16-17 – Estas passagens nos falam sobre o Espírito Santo em nós. Somos guiados pelo Espírito porque, diferente do VT, não recebemos apenas uma unção, mas o próprio Espírito Santo vem habitar em nós e estará conosco para sempre.
  1. c) O profeta no NT está junto com o apóstolo na condução doutrinária da igreja, porque são responsáveis pelos fundamentos da igreja – Efésios 2:20. O profeta do NT tem uma revelação com base na Palavra de Deus. O profeta do VT trazia a revelação que se tornava Palavra de Deus. Hoje já temos a Palavra e qualquer coisa que seja diferente dela não é de Deus.
  1. d) Tanto quanto o profeta do VT, o profeta do NT também pode receber visões, revelação, arrebatamentos, porém terá uma Palavra de edificação, exortação ou consolação para a Igreja.
  1. e) Lucas 9: 51-56 – Esta passagem é bem clara sobre a diferença profética de Jesus e Elias. O tema básico é… a profecia de hoje tem um outro “espírito”. O profeta hoje é instrumento de Deus para salvar o perdido.

Conclusão

            No próximo estudo vamos observar a presença de profetas influenciando no estabelecimento de igrejas e no governo delas. Por ora não esqueçamos o propósito da profecia: edificar, exortar e consolar.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedin

IDENTIFICANDO OS MINISTÉRIOS – O APÓSTOLO

Efésios 4: 11-13

Introdução

Embora o texto básico deste capítulo seja do apóstolo Paulo, vamos caminhar também pelo livro de Atos dos Apóstolos a fim de identificarmos os 5 ministérios em ação. Nossa intenção é demonstrar como os ministérios se estabeleceram na igreja. Atos dos Apóstolos é a narrativa de Lucas de como a igreja se firmou e como determinados ofícios e funções apareceram. Alguém no passado afirmou que Atos é o quinto evangelho e outros também já afirmaram que se de Mateus a João temos o evangelho de Jesus Cristo, Atos, certamente, é o evangelho do Espírito Santo. Eu acredito que Atos destaca a obra continuadora de Jesus através de seu Espírito Santo, que ungiu homens e mulheres para realizarem o propósito eterno de Deus de plantar o Reino de Deus.

Os diáconos fazem parte da narrativa de Atos 6, embora muitos estudiosos não considerem esta passagem normativa para o diaconato. Para alguns o problema está com relação às três exigências do texto para a função, o que, para alguns grupos, os fariam aceitar o batismo no Espírito Santo como requisito para o ministério diaconal, em função da exigência de serem cheios do Espírito Santo. Esta é uma boa discussão sobre o assunto e tem acirrado o ânimo de alguns. Neste estudo não vamos discutir pontos de vista, a menos para fortalecer o nosso. Nosso ministério tem uma visão bíblica sobre o assunto e, para nós, isto é fundamental a fé cristã, uma vez que cremos no batismo no Espírito Santo com a evidência de falar em outras línguas.

Vamos descobrir como indivíduos que começaram em um ministério, tiveram um desenvolvimento e acrescentaram mais ministérios a sua vida. Então, o presente capítulo do estudo é uma análise histórica dos 5 ministérios, do presbiterato, bispado e do diaconato. A igreja primitiva é o nosso modelo e uma meta a ser alcançada. Porém é importante sabermos que nem tudo que está em Atos é útil para hoje, mas são ótimas referências do que podemos encontrar em várias igrejas de hoje. Há muita coisa do que fazemos na igreja hoje que não está no texto de Atos, mas que por si só não contraria a vontade de Deus. Por exemplo, a igreja primitiva não tinha uma “escola bíblica dominical”, nos moldes como vemos hoje. Aliás, algumas igrejas são criticadas por não terem este departamento e até discriminadas por isto. Isto é uma bobagem! Cada ministério deve adotar uma estratégia de ensino, a fim de fundamentar os crentes em Jesus, sem ter um modelo rígido. O que devemos sim é ensinar a Palavra de Deus, isto é fundamental na estratégia de fazermos discípulos. Então, como iremos fazer isto não tem uma regra bíblica, a regra é ensinar, ensinar, ensinar. Isto é fundamental. Então, o que vamos estudar aqui são os princípios fundamentais do que é ministério.

1) O Primeiro Ministério – Lucas 6: 12-13; Atos 1:2, 26

  1. a) Existem várias outras referências aos apóstolos nos evangelhos, porém é digno de nota o texto de Lucas 6, versos 12 e 13. Neste texto lemos que Jesus tomou a iniciativa de chamar seus discípulos de apóstolos. Os demais textos dos evangelhos tratam os 12 discípulos de Cristo de apóstolos. Entretanto, estas passagens foram escritas já quando a igreja estava estabelecida em Atos, nos anos 55 a 65 d.C. Neste período os líderes da Igreja de Jerusalém já eram bem reconhecidos como apóstolos.
  1. b) A intenção acima é descrever o fato de que foi Jesus quem reconheceu seus discípulos como apóstolos. A razão é simples: a palavra apóstolo vem do grego apostolov, do verbo apostellw.
  1. c) As duas palavras gregas anteriores têm o seguinte significado

ð  apostolov – apostólos – substantivo masculino que designa…

1) um delegado, mensageiro, alguém enviado com ordens

1a) especificamente aplicado aos doze apóstolos de Cristo

1b) num sentido mais amplo aplicado a outros mestres cristãos eminentes

1b1) Barnabé

1b2) Timóteo e Silvano

ð  apostellw – apostéllo – verbo que designa…

1) ordenar (alguém) ir para um lugar estabelecido

2) mandar embora, despedir

2a) permitir que alguém parta, para que alcance a liberdade

2b) ordenar a partida de alguém, enviar

2c) enviar da parte de

  1. d) Jesus designou seus discípulos a irem a casa de Israel anunciando o Reino de Deus – Mateus 10: 1-7. Tal como esta passagem encontramos em Lucas 10, Jesus comissionando outros 70 discípulos seus. Porém, somente aos 12 Jesus os chamou de apóstolos. Embora alguns sejam enviados (verbo apostéllo), nem todos são, porém, mensageiros como os apóstolos.

2) O Propósito do Apóstolo

  1. a) Primeiramente apóstolos – I Coríntios 12: 27-28

Não podemos olhar o apostolado apenas como uma colocação cronológica, levando-se em conta os 12. É verdade que eles foram os primeiros, cronologicamente falando, mas o apostolado vem primeiro porque é a maior autoridade na igreja, porque é o mais antigo e vem primeiro. Sua função é extremamente importante por ser, de fato, com Cristo, o fundador da igreja ou, de uma igreja.

  1. b) É o apóstolo o responsável por organizar, estabelecer, treinar a igreja. Nem sempre ele começa a igreja pessoalmente, mas a inicia com o projeto, o envio de alguém e manutenção dessa igreja, a partir dos recursos que lhe são entregues.
  1. c) Olhemos o texto de Atos 4: 34-37; 5:1-2ss. Nesta passagem vemos como as coisas aconteciam em termos de finanças na igreja primitiva. Também o apóstolo Paulo orienta a igreja de Corinto o que fazer com os recursos doados para a obra, como vemos em 1 Coríntios 16: 1-3.
  1. d) Não é exagero dizer que na igreja de Jerusalém e as demais, que tinham apóstolos, que as ofertas e dízimos eram entregues aos apóstolos ou aos líderes designados por eles. Porque entendemos que toda tarefa na igreja de Jesus é realizada de modo a que saibamos quem é o líder e quem executa o que na mesma.
  1. e) Além de liderar o aperfeiçoamento dos santos para a obra do ministério e edificar a igreja, o apóstolo é o responsável pelos projetos missionários e aplicação de recursos na igreja do Senhor Jesus. Na verdade, se há uma democracia sobre o assunto, esta é entre os cinco ministérios, porém a responsabilidade final e última é do apóstolo.
  1. f) Se você observar, a maioria das igrejas de hoje que tem pastores em sua liderança, que trabalham com o princípio de autoridade espiritual, na verdade fazem o papel de apóstolo sem, contudo, serem reconhecidos. Esta falta de reconhecimento, na verdade, em muitos casos parte do próprio pastor, que ainda não entendeu porque o Senhor Jesus colocou apóstolos na sua igreja. Mesmo as igrejas denominacionais que usam a democracia como forma de governo, depois de algum tempo o pastor da igreja adquire respeito e liderança tal, que os membros preferem confiar a ele a missão apostolar, sem reconhecer isto.

A AUTORIDADE DE CRISTO É REPRESENTADA, NA IGREJA, PELOS CINCO MINISTÉRIOS, TAMBÉM CHAMADOS OFÍCIOS, QUE ELE ESTABELECEU

3) A Paternidade do Apóstolo

  1. a) A presença dos apóstolos, além dos 12, na igreja primitiva é muito bem destacado em Atos 14:14. O plano não é que o apostolado tenha encerrado com os 12, mas ele continuou com Barnabé, Paulo. Estes dois são muito importantes porque eles foram exemplos de pais espirituais. Barnabé, por exemplo, durante o início da vida cristã de Paulo, foi seu mentor e tutor. Paulo se converteu no caminho de Damasco, sendo ganho diretamente por Cristo, mas além de Ananias, Barnabé assumiu a função de apoiar e ajudar Paulo. Atos 9: 22-28; 11: 21-26.
  1. b) Barnabé e Paulo atuaram muito tempo juntos na tarefa de plantar igrejas, treinar líderes e estabelecer presbíteros em algumas delas. João Marcos, que veio a ser o evangelista Marcos, foi acompanhado por Barnabé e só depois Paulo se deu conta de como Marcos era útil. Tanto Paulo, como Barnabé sempre exerceram paternidade. Essa paternidade era uma mentoreação daqueles que seriam líderes da igreja. Timóteo, Filemon, Onésimo, Tito, são exemplos de filhos espirituais de Paulo.
  1. c) Mesmo aqueles que não são filhos diretos de um apóstolo, devem reconhecer sua paternidade. Muitos são ganhos para Cristo, porque um apóstolo treinou um evangelista, um membro cheio do Espírito Santo. Cristo coloca o apóstolo na Igreja a fim de dar oportunidade ao povo de crescer na graça e conhecimento de Cristo. O apóstolo é um guia colocado para estabelecer a doutrina e a disciplina da igreja. Estas podem ser exercidas por aqueles a quem o apóstolo delega a missão. Mas deve-se saber que todas as oportunidades no corpo de Cristo são dadas pelos apóstolos de Cristo. Por isto eles são Pais.
  1. d) Em um próximo estudo vamos aprender sobre a paternidade do profeta, mas aqui devemos entender que a paternidade direta do apóstolo é geradora de líderes no corpo de Cristo. Uma vez que o apóstolo vive como águia, treina águias a voar e caçar. Nunca despreze o apóstolo, você pode estar desconsiderando seu Pai.

Conclusão

No estudo de hoje, demos início ao entendimento de cada ministério dos 5 estabelecidos por Cristo, na Igreja. Honrar e reconhecer a missão dos apóstolos é muito importante para a vida da igreja e, mui especialmente, de cada crente em Jesus.

Ainda que os apóstolos sejam autoridade na igreja, contudo eles o fazem com temor e tremor. Eles, na verdade devem ser sempre humildes e dispostos. Paulo exemplifica o comportamento de um verdadeiro apóstolo: 1 Coríntios 4: 9

No próximo estudo vamos nos deter no diaconato, a fim de entender um dos ministérios da igreja, que foi estabelecido pelos apóstolos. Isto porque cabe ao apóstolo estabelecer ministérios. Vamos entender o propósito, missão e requisitos dos diáconos, ministros da igreja para servi-la a cargo dos apóstolos.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedin

SE É MINISTÉRIO, SEJA EM MINISTRAR

Romanos 12:7-8 – Efésios 4: 11-13

Introdução

– Vamos trabalhar durante estes próximos dias estudando o tema ministérios. Mais especificamente, vamos nos deter nos 5 ministérios, mas também vamos nos referir aos vários ministérios referidos no Novo Testamento.

– Nos textos acima, encontramos a palavra ministério devidamente aplicada para o propósito do estudo. Neste estudo de hoje, vamos nos deter nos termos e as aplicações deste termo. Por isto vamos passar em outros ministérios além dos 5 referidos por Paulo na carta Aos Efésios.

– Neste estudo queremos privilegiar a avaliação crítica de cada aluno. Assim é que, dúvidas deverão ser esclarecidas logo neste primeiro estudo, a fim de esclarecer futuras questões que possam existir. Portanto, qualquer que precisar interromper o prosseguimento do estudo a fim de esclarecer junto ao seu professor sua dúvida, é bem vindo.

1) O que é Ministério – Rm 12: 7 e Ef 4:12

  1. a) Em ambas as passagens bíblicas deste ponto a palavra ministério é diaconia. Esta palavra no NT, no grego é diakonia. Esta palavra, que é traduzida como ministério não é a única para tal uso, porém é a única usada para designar os 5 ministérios de Efésios.
  1. b) Em Atos 1: 17, 25, quando Matias foi colocado como apóstolo em lugar de Judas, Pedro diz que o apostolado faz parte do ministério = diakonia.
  1. c) Algumas passagens bíblicas usam palavras que designam ministério, porém diferentes de diakonia são:

ð  diatagh  – diatage – Atos 7:53

ð  logov – logos – Atos 8:21

ð  leitourgia – leitourgia – Lc 1:23 e Hb 8:6

  1. d) DIACONIA em grego quer dizer:

1) serviço, ministério, esp. daqueles que executam os pedidos de outros;

2) daqueles que pelo pedido de Deus proclamam e promovem religião entre os homens:

2a) do ofício de Moisés

2b) do ofício dos apóstolos e sua administração

2c) do ofício dos profetas, evangelistas, anciãos, etc.

3) serviço daqueles que brindam aos outros os ofícios da afeição cristã esp. aqueles que ajudam a atender necessidades, seja pelo recolhimento ou pela distribuição de caridades;

4) ofício do diácono na igreja;

5) serviço daqueles que preparam e ofertam alimento.

  1. e) A finalidade da palavra diaconia é designar alguém que presta um serviço como o de um garçom. Este trabalha atendendo pedidos dos outros. No caso dos diáconos da igreja, procuram atender os pedidos da igreja, atendendo as necessidades materiais do povo. Já os 5 ministérios, desempenham a tarefa de atender os pedidos de Deus e as necessidade do Reino de Deus.
  1. f) Também entendemos claramente que outros ofícios da igreja atendem o ministério, que visa atender os pedidos de Deus para uma tarefa específica na igreja. Assim que temos o bispo, o presbítero (ancião) que exercem também função pastoral.

2) O Propósito dos Cinco Ministérios

  1. a) De acordo com Efésios 4: 12 temos três finalidades destes 5 ofícios:

1-       Aperfeiçoar os santos

2-       Executar a obra do ministério

3-       Edificar o Corpo de Cristo (igreja)

  1. b) Tudo isto visa levar cada pessoa integrante do corpo de Cristo a um crescimento estável. O plano é que cada um de nós viva como Jesus viveu na terra. O plano é que a verdade seja conhecida e esta verdade liberte!
  1. c) Quero, ao mesmo tempo, esclarecer que a Trindade trabalha no estabelecimento de dons, ofícios e capacitações na igreja. Para isto vejamos I Coríntios 12: 4-6. Temos neste texto 3 coisas distintas: dons, ministérios e operações.
  1. d) Didaticamente podemos dividir que cada pessoa da Trindade atua assim:

1-       Espírito Santo – concede dons = carísmas

2-       Jesus Cristo – concede ministérios = diaconías

3-       O Pai – concede operações (capacitações) = enérgemas

  1. e) Para cada um destes acima, são manifestações da trindade de Deus. Isto quer dizer que os cinco ministérios são manifestações do ofício de Cristo na igreja. O propósito, portanto, dos cinco ministérios é que cada ministro representa um dos ofícios de Cristo, manifesto em pessoas que ele estabeleceu para representarem ele na igreja.
  1. f) Se Cristo é o cabeça da igreja, então estes cinco ministérios têm a função de liderança, uma vez que representam os ofícios de Cristo.
  1. g) A liderança de Cristo é representada, portanto, por estes ministros, no seio da igreja. Isto quer dizer, então, que além das finalidades relatadas no início deste ponto, a outra finalidade dos cinco ministérios é serem a autoridade de Cristo na Igreja.

A AUTORIDADE DE CRISTO É REPRESENTADA, NA IGREJA, PELOS CINCO MINISTÉRIOS, TAMBÉM CHAMADOS OFÍCIOS, QUE ELE ESTABELECEU

3) O que faz cada Um

  1. a) Lembrando, os cinco ministérios são: Apóstolo, Profeta, Evangelista, Pastor e Mestre.
  1. b) O Apóstolo, juntamente como o profeta, é responsável pelos fundamentos da igreja. Vemos isto em Efésios 2:20. O apóstolo, como nos casos de Pedro, Tiago, Paulo, João, é responsável, pela direção doutrinária (At 2: 42; 15: 7-22 e as cartas de cada um deles). Não pode haver nova doutrina na igreja sem que isto seja trazido pelos apóstolos. Também a direção administrativa (At 6: 1-7) é dada pelo apóstolo. O apóstolo trata todos visando-os levar a viverem como águias. Tudo isto, quando a igreja, claro, tem este ministério.
  1. c) O profeta, no caso do ministério, não exerce apenas o papel de ter visões e revelações, mas orienta, edifica e proclama a Palavra de Deus. A profecia visa edificar, exortar e consolar e este é o papel do profeta como ministro. O profeta pode não ser um grande ensinador, mas tem uma capacidade tremenda de fortalecer e edificar pessoas e grupos da igreja. O profeta é o intercessor da igreja, é o exemplo de busca a Deus.
  1. d) O Evangelista é o elemento chave no crescimento e expansão do evangelho e da igreja, portanto. Este é o exemplo de Felipe, em Atos 8: 1-12; 21:8. No caso de Felipe, além de diácono, também era evangelista. Ainda que todos os crentes sejam elementos chaves do crescimento da igreja, o evangelista se destaca pela sua capacidade de testemunhar e ganhar almas.
  1. e) Pastor – esta palavra já nos indica o papel desta pessoa: apascentar. Ele trata todos como ovelhas, pois acredita que todos precisam de cuidados especiais. Vela pelas almas, ou seja, mantem-se preocupado com indivíduos e não com um grupo. Diferente do apóstolo a preocupação com a igreja é voltada para cada um.
  1. f) Ser mestre, na igreja, não é uma tarefa muito fácil. Na verdade, são escassos. O mestre é o ensinador costumaz. O apóstolo Paulo é um exemplo de mestre. Embora tenha sido apóstolo, começou sendo mestre e profeta (At 13: 1ss). Por esta razão temos importantes ensinos de Paulo na Bíblia. A doutrina estabelecida pelos apóstolos é logo expressa e bem esclarecida pelo mestre (At 11:26).

Conclusão

Chegamos até aqui e concluimos uma coisa importante: explicar o conteúdo do significado dos cinco ministérios requer uma pesquisa longa. A igreja de hoje, se estabeleceu numa visão pastoral e mudar tal visão requer constante reavaliação do que é ensinado. Além da reavaliação, é necessário repetir, repetir, repetir a fim de ser entendido por todos.

Nos próximos estudos vamos nos deter, procurando explicar, em cada lição a missão de cada ministro. Entretanto, além dos cinco ministérios, não podemos esquecer do papel extremamente importante desempenhado pelos anciãos, ou os presbíteros. Vamos dedicar uma lição a este assunto também, além, claro, de estudar sobre os diáconos.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedin

SUAS PALAVRAS TEM ENERGIA: A DECLARAÇÃO

Marcos 11: 22-26

INTRODUÇÃO

O Estudo de hoje sobre o que suas palavras podem fazer, é apenas introdutório. Mais material sobre o assunto vamos liberar. Por agora quero lançar as bases para que suas palavras sejam declarações de poder. Acredite, há algo poderoso no som que sai de nossa boca. Esse som pode ser abençoador ou amaldiçoador. Jesus falou sobre isto. Em Lucas 6, Ele diz que devemos agir como Filhos do Altíssimo. Esse desafio é para que eu e você nos comportemos como Filhos Amados do Eterno.

Antes de tudo, quero que você entenda que existem passos para que tenhamos uma palavra que remove montanhas. Jesus exercia este poder como filho de Deus. Nos deixou ensinos fortes, dentre os quais que poderíamos fazer obras maiores que a dele, porque ele estava voltando para o Pai. Ele deixou pra mim e pra você ensinos tremendos, tais como este. Antes de tudo, não confunda que você será alguém que terá capacidade de determinar coisas a Deus. Você recebeu autoridade para determinar sobre as coisas que Deus criou, mas não a ele. Ele te capacitou de algo que ele tem e te outorgou. Mas você não tem autoridade e nem poder para querer fazer aquilo que Deus não quer. Observe o ensino e tome os devidos cuidados para que suas palavras tenham a energia do céu. Aprenda o poder da declaração!

  1. ANTES, REMOVA O QUE É NEGATIVO

Ao longo dos anos, tenho trabalhado e orientado instalações elétricas. Não sou expert no assunto como engenheiro, a prática me ensinou várias coisas. Uma delas é que quando o positivo toca o negativo temos aí um curto circuito. Entretanto isto pode ser bom ou ruim, vai depender de como o curto foi fechado. Quando este curto é para o bem e funciona para ligar lâmpadas e equipamentos ele está seguindo como um circuito. Com certa frequência as pessoas não levam a sério a proteção dos fios, porque não entendem do assunto. Os profissionais no assunto sabem a importância da bitola dos fios e para que servem. Também sabem muito bem os melhores condutores de energia e o que pode “roubar” a energia, gerando custos desnecessários. Quando se usa fios indevidos, com bitola indevida, com capa de proteção indevida nos fios, perde-se energia e danifica-se equipamentos e bens. O objetivo da energia elétrica é fazer funcionar as coisas que dependem dela.

 

As palavras que usamos têm energia vital. A palavra é poderosa para fazer que as coisas aconteçam ou não. Jesus disse que pelas tuas palavras você será julgado e/ou condenado. Você vai dar conta de toda palavra que sai de sua boca. Suas palavras têm energia poderosa! Mas toda essa energia poderosa depende da fonte de onde sai essa palavra. Ela pode matar ou viver e, mais precisamente, pode fazer uma coisa ou outra a fonte da palavra. Por isto Jesus concluiu esta orientação sobre o poder da palavra falando sobre perdão. Versos 25 e 26 deste texto básico não estão aí para um dica. Essa orientação é a base fundamental, junto com a fé, da ação correta do poder das palavras.    Não posso seguir adiante com a explicação do estudo sem que primeiro você entenda que deve remover o que é ruim e negativo nas palavras. Isso poderá causar um curto circuito no que você diz e impedir que o objetivo final de suas palavras produzam o que é agradável a Deus e ao universo.

Antes de tudo acredite e saiba que suas palavras movem coisas no universo. Então cuidado com suas palavras! Tome cuidado de como elas saem e qual a fonte que alimenta elas. Jesus disse isto e que isto é um princípio de sabedoria sério: seu coração é que alimenta o poder de suas palavras. Vejamos o que Jesus disse:

“Porque não há boa árvore que dê mau fruto, nem má árvore que dê bom fruto. Porque cada árvore se conhece pelo seu próprio fruto; pois não se colhem figos dos espinheiros, nem se vindimam uvas dos abrolhos. O homem bom, do bom tesouro do seu coração tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca” (Lucas 6:43-45) e ainda “E ele disse-lhes: Assim também vós estais sem entendimento? Não compreendeis que tudo o que de fora entra no homem não o pode contaminar, Porque não entra no seu coração, mas no ventre, e é lançado fora, ficando puras todas as comidas? E dizia: O que sai do homem isso contamina o homem. Porque do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as fornicações, os homicídios, os furtos, a avareza, as maldades, o engano, a dissolução, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Todos estes males procedem de dentro e contaminam o homem” (Marcos 7:18-23).

 

Muitas palavras que as pessoas emitem são motivadas por ciúmes e desejos impuros. As pessoas não imaginam o que suas palavras estão causando no universo. As pessoas estão carregadas de sentimentos/energias negativos. Os medos e as angústias, as vaidades e as soberbas das pessoas lhes causam expressar as coisas mais idiotas que se podem ouvir. Essas idiotices vão moldando um mundo idiota. Se você reparar direito, uma boa quantidade de coisas que acontecem com as pessoas são resultantes de manifestação de seus medos. As palavras mentirosas vão gerando um mundo falso e corrupto a nossa volta. Jesus claramente nos adverte para que cuidemos de nosso coração, porque nossas palavras serão reflexo disto. Lembre-se bem: “A BOCA FALA DO QUE O CORAÇÃO ESTÁ CHEIO”!

Muitos traumas que as pessoas têm foram gerados por palavras mau enviadas ou mal entendidas. Quem enviou, a enviou com ódio ou quem a recebeu não podia receber porque estava carregado de ódio. É este sentimento que causa “curto circuito” no poder, na energia ativa das palavras. Grande parte das palavras são mal enviadas ou mal interpretadas por causa de corações carregados de sentimentos e/ou energias negativas. Então, se você teme a Deus, lhe convido a ler comigo 2 Timóteo 3: 1-5. Observe o fim das palavras de Ap. Paulo – “Destes, afasta-te!”

Veja o que Salomão disse: “Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida. Desvia de ti a falsidade da boca, e afasta de ti a perversidade dos lábios”(Provérbios 4:23,24). Se você quer que suas palavras tenham energia divina para determinar que o bem aconteça, remova o que é negativo de seu coração.

  1. CUIDADOS A TOMAR

Por causa dos sentimentos ruins que as pessoas têm em seus corações muitas mortes são causadas, mas nos versos 25 e 26 Jesus nos adverte para a mágoa no coração. Essa é a maior dificuldade das pessoas: perdoar. Jesus gastou boa parte de seus discursos falando sobre perdão. O amor de Deus é tão tremendo que ele nos ama mesmo sendo nós pecadores. Jesus diz que devemos ser misericordiosos, como o Pai é. Ele ensina em Mateus 23: 23 que três coisas importantes estão na lei: justiça, misericórdia e fé. O que mais tem matado pessoas neste tempo não são armas brancas ou negras, mas sim ódio, mágoas e ressentimentos. As guerras existem por causa disto. As pelejas humanas existem por causa disto. As mortes em trânsitos e casamentos são causadas por isto. Algumas enfermidades letais começam por causa de mágoas, ressentimentos e dificuldades em perdoar. O coração humano afeta o poder de matar ou viver de suas palavras. Por esta razão Jesus ensina que quando estivermos orando, devemos perdoar.

 

Tome cuidado com as mágoas. Elas vão matar você ou podem até lançar no inferno. O Eterno já disse ao Profeta e Juiz Samuel que o homem julga segundo a vista, mas que Ele julga os corações. Para Deus, o que vale é a intenção que vem desde o coração. A falta de perdão é um dos maiores entraves ao poder curador, restaurador e vivificador das palavras. Um coração cheio de mágoas emite palavras resultantes deste sentimento no coração. Aliás, você já deve ter ouvido o que fala uma pessoa que tem mágoas no coração. Você já ouviu o que destila dos lábios dessa pessoa! Então, vigie-se a si mesmo.

Jesus ensina que os limpos de coração verão a Deus. Além dos sentimentos ruins expostos no ponto anterior, o mais grave de todos é a ira armazenada. Paulo disse: “irai-vos e não pequeis, não se ponha o sol sobre a vossa ira!” (Efésios 4: 26). Não é muito fácil para algumas pessoas perdoarem, então, as palavras que estas pessoas proferirem estarão afetadas por esses rancores. Elas vão tratar os outros com dureza inflexível e maldade, porque estão infelizes. Uma pessoa que vive guardando mágoas a todo momento, não consegue esconder sua tristeza profunda… se continuar deste modo vai morrer!

Quer que suas palavras tenham poder pra transportar montes? Limpe seu coração perdoando. Tome esse cuidado!

  1. EXERÇA UMA FÉ DIVINA

Por que Jesus insiste em que perdoemos? Qual a razão para essa afirmação ao final de sua orientação sobre o poder das palavras? A resposta a essa indagação está na afirmação de Jesus: “Tende fé em Deus!”. Literalmente Jesus diz TENHA A FÉ DE DEUS!

Em outros estudos já expliquei o que Jesus quer dizer sobre isto. Seu desafio a nós é que nossa atitude seja como a de Deus. Ele não tem dúvidas sobre o que fala que vai acontecer porque Ele sabe que vai acontecer, isto é fé! Se você se pergunta se Deus tem fé, pense, é claro que sim. Efésios diz que pela graça somos salvos, por meio da fé e que isto não vem de nós, é DOM de Deus! Deus nos doa sua fé! Jesus nos desafia a termos uma fé divina: nada nos será impossível!

 

Você não pode exercer fé divina com mágoas no coração. Você não moverá montanhas exercendo uma fé divina com um coração cheio de ódios, mágoas e rancores. Essa fé é humana e produz o que o coração está cheio. Para exercer fé divina você tem de ser aliado de Deus, porque ele não moverá montanhas para exibição. Deus não revela os segredos do coração do homem por puro prazer de exibir-se como num show ou circo. Tenho visto muito disto por aí. Temos muitas pessoas que estão se exibindo nos “palcos” das igrejas, visando, segundo eles, a conversão de almas. Na verdade, em muitos casos, não têm a mínima intenção de converter almas, estão interessados em demonstrar como são “usadas” por Deus para receberem mais convites que lhes levarão a mais ótimas ofertas. Elas tem em seu coração a mesma música de um cantor depravado, que já se foi: “Faz parte do meu Show”.

Se você acredita que Deus é Deus dos impossíveis, então acredite que suas palavras vão mover montanhas, vão parar tempestades, vão curar enfermos, perto ou longe. Basta uma palavra sua e as coisas acontecerão. Não se assuste com esta minha afirmação, é isto que Jesus quer dizer que você deve exercer fé divina. Nada lhe será impossível!

A fé divina não tem “energia” negativa, porque vem de sentimentos positivos. O que Jesus nos ensina neste texto de Marcos é o poder da declaração. Não se trata de declaração positiva ou positivismo. É declaração de fé!

 

Quando Deus disse: Haja luz! Houve luz. Sua declaração de fé exerceu um poder que fez que, antes de qualquer luminar existisse, a luz passou a existir. Todo cientista sabe que a luz passou a existir por causa das moléculas de hélio, independente de haver estrela ou algo parecido. Por causa disto a palavra sol, em grego, se chama hélio. Deram o nome a partícula que causam luz de hélio, em homenagem ao poder iluminador do sol. Porém, a luz é anterior ao sol. Quando Deus declara algo, aquilo está fadado a acontecer. Jesus está nos dizendo: “Quando você declarar a este monte, ergue e lança-te no mar e não duvidar no que está declarando, mas acreditar fortemente que o que declara é fato, assim irá acontecer”. Entretanto, nem sempre o que declaramos acontece imediatamente. Mas o que declaramos produz um efeito no reino espiritual e este efeito irá, a seu tempo, produzir e fazer acontecer o que você declara.

CONCLUSÃO

Esta foi só uma introdução ao assunto que quero tratar. O próximo conteúdo vamos tratar sobre as palavras que fazem acontecer o que é bom e o que é mau em nossa vida. Por ora, quero que você apenas reflita sobre as bases do poder de suas palavras. Suas palavras são poderosas e elas podem matar ou viver. Caso não acredite nisto, você continuará matando com suas palavras e quando for tarde, já estará diante do tribunal de Cristo prestando contas por sua ignorância.

Deus te abençoe!

Facebooktwittergoogle_pluslinkedin